Par ideal

“Antes só do que mal acompanhado” – assim diz o ditado popular que recomenda a solidão do que a companhia de uma pessoa a quem se julga imperfeita. A frase nos faz refletir sobre o sentimento que acompanha muitas pessoas que não conseguem encontrar um par ideal, muitas vezes por estarem em constante busca por uma “pessoa perfeita”. Muitos querem conhecer pessoas bonitas, saudáveis, educadas e bem-sucedidas. Porém, quando não conseguem encontrá-las, acaba surgindo a frustração e com isso o isolamento.

 

Essa busca pela “pessoa perfeita” pode levar à solidão, pois costuma-se colocar muita expectativa no outro e quando não se é correspondido a consequência é gerar um bloqueio que o impede  de conhecer outras pessoas. Segundo o professor de psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Roberto Bello Araújo, esse comportamento pode significar insegurança. “Isso demonstra uma dificuldade dessas pessoas em se relacionar novamente e aceitar as diferenças. Com o fim de um relacionamento intenso, também é comum que as pessoas se sintam deprimidas, pois há um desmoronamento de expectativas que se tinham em relação ao companheiro”, diz.

 

Aceitar as diferenças


O primeiro passo é entender as diferenças do outro e aceitar que não há um “indivíduo perfeito”. A partir daí, é só uma questão de estar apto a conhecer pessoas e ir adiante. Aqueles que adotam não ter um relacionamento fixo para ter rápidos casos amorosos podem estar no fundo se sentindo sós. “Quem têm muitos não tem nada. Quem se relaciona irrestritamente, na verdade, está numa posição de solidão. É o que chamamos de uma pessoa ‘anoréxica afetiva’”, diz o psicólogo.

 

Tendo ou não ligação com o relacionamento amoroso, a solidão está presente em nossas vidas pelos mais variados motivos. Estudos mostram que ela costuma ser mais frequente na velhice, pois é uma etapa em que as pessoas perdem muitos papeis na sociedade e acabam se sentindo deprimidas e solitárias.

 

O professor Roberto Bello diz que a terapia pode ajudar em alguns casos. “Todos nós passamos por momentos de solidão em nossas vidas. É possível que uma pessoa esteja no meio de uma multidão e se sinta sozinha. Muitos conseguem superar sozinhos, porém para outros é recomendável que busquem solução na terapia”, diz Roberto.

 

Terapia do Amor na IURD


Preocupada em auxiliar e levar esclarecimentos à vida sentimental de casais, a Igreja Universal do Reino de Deus criou uma reunião voltada para orientar relacionamentos e ajudar aqueles que estão passando por um momento difícil na união.

 

As reuniões da Terapia do Amor acontecem aos sábados, em todas as Catedrais da IURD pelo Brasil.

 

Colaborou Aline Oliveira

 

Amor em Foco